Histórias da Ditadura

Hoje na Imprensa

04
jan
2017

De perseguição na ditadura a quadro no Faustão: a história de oito irmãos e seu circo.

Na ditadura, ameaças e visitas do Dops. Nem sempre, contudo, a vida na estrada é fácil. E já foi muito dura anos atrás, quando o país vivia sob a ditadura militar. “Os circos eram muito perseguidos na década de 1970. Era comum estarmos trabalhando e chegarem polícia, Exército, pararem o espetáculo, revistarem todo mundo –os artistas e a plateia”, lembra Márcia.

Isso quando era possível se apresentar. “Uma vez, em Cantagalo (331 km a oeste de Curitiba), chegou o delegado e nos impediu de seguir montando a lona. Minha mãe pediu pra trabalhar, mas ouviu que não tinha conversa, que seríamos enquadrados. Pegaram um rapaz que trabalhava no circo, que tinha saído para buscar feijão, e o fizeram comer grama do jardim da praça”, conta Erimeide. “Noutra, em Catanduvas (476 km a oeste de Curitiba), fomos ameaçados de morte pelo prefeito se entrássemos na cidade.”

Poder entrar era só um dos problemas. “O espetáculo tinha que ter autorização do Dops (Departamento de Ordem Política e Social). Tínhamos que contar quais os textos das piadas. E eles vinham ver se era isso mesmo, sentavam na primeira fila”, fala Márcio.

Leia mais: Notícias UOL