Histórias da Ditadura

Hoje na Imprensa

07
fev
2017

Polícia e Forças Armadas comandavam prostituição no DF na ditadura.

Não só havia muita prostituição na capital do país durante a ditadura como ela recebia proteção e era comandada por integrantes da Polícia Militar e das Forças Armadas. Eles também recorriam corriqueiramente aos serviços de mulheres, travestis e michês. A constatação é dos serviços de inteligências dos órgãos de segurança. Em dossiês mantidos sob sigilo por décadas, agentes revelam as investigações sobre colegas envolvidos na exploração sexual, inclusive de adolescentes.

Há ao menos cinco processos tratados como secretos pela Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal (SSP-DF), entre as quase 100 caixas de documentos com informações de 1963 a 1990, guardadas há mais de 50 anos. Todos contêm o carimbo de “Confidencial” e os timbres de diversos órgãos de repressão. São  registros das operações realizadas pelo regime dos generais, até então mantidos sob acesso restrito. A documentação embasa a série de reportagens “Brasília confidencial”, publicada desde sábado.